O que eu aprendi em casa sobre representatividade na infância

Recentemente eu fui passar uns dias com minha família, em uma daquelas ocasiões em que só se quer fugir um pouco da rotina sufocante de “se virar sozinho” e tudo que você precisa é um cafuné (e matar a saudade da comida) de mamãe. Em uma noite, meu irmão mais novo, de 12 anos, me chamou para uma partida de truco e ficou responsável por colocar uma música para ouvirmos enquanto jogávamos. Imaginem só minha surpresa quando olhei para a TV e o clipe que ele tinha colocado era esse aqui:

Continue Lendo “O que eu aprendi em casa sobre representatividade na infância”

Anúncios

É hora de pendurar o quadro

Há uns cinco meses atrás eu comprei um quadro. Estava com meu colega de apartamento a caminho de um brechó, um rolê que ele tinha me chamado provavelmente numa tentativa de  tirar minha cabeça de algo que estava atravancando minha vida na época.

Para qualquer pessoa que o veja de agora em diante em uma das paredes do meu quarto, é só um objeto decorativo como outro qualquer: um quadro da minha série favorita. Um objeto inofensivo e sem grande profundidade à primeira vista.

Esse quadro ficou guardado por esses cinco meses no meu guarda-roupas. Continue Lendo “É hora de pendurar o quadro”

Héteros, perdoem-nos pela opressão e orgulhem-se!

Olá, homens e mulheres heterossexuais que têm “orgulho de ser hétero”.

Eu, como homossexual, peço desculpas a vocês por toda a opressão que causamos e que tornou necessário que vocês reafirmem esse tal orgulho por aí.

Continue Lendo “Héteros, perdoem-nos pela opressão e orgulhem-se!”

A “lista” de cada um

Todo mundo tem uma espécie de “lista de pré-requisitos” na hora de se relacionar com outros indivíduos. Seja para fazer amizades, ter um relacionamento afetivo, formar alianças profissionais ou mesmo dar uns beijos numa balada qualquer, todos têm essa relação de atributos guardada na mente e coloca ela pra funcionar diante dessas e outras situações sociais.

Essas listas são formadas no nosso (sub)consciente de acordo com vários fatores: nossas experiências anteriores, valores familiares, crenças, traumas, preferências pessoais e por aí vai. Nossa cabeça cria projeções o tempo todo e essas projeções são bastante individuais. Com isso, inevitavelmente fantasiamos uma “vida perfeita”, que abrange uma carreira profissional de sucesso, a vida acadêmica com todos os êxitos possíveis, a caminhada matinal relaxante pelo parque acompanhado(a) pelos cachorros e, claro, o relacionamento dos sonhos com o(a) parceiro(a) ideal.

Continue Lendo “A “lista” de cada um”

Agora ou nunca

“Cantor de Tumblr” é um termo pejorativo que passou a habitar os fóruns e grupos sobre música nos últimos anos. Melanie Martinez, Troye Sivan, Tove Lo, Allie X e vários outros nomes conhecidos no “lado B” do pop podem ser enquadrados nessa categoria.

Além dos filtros instagramizados de seus photoshoots e da sonoridade que mescla sintetizadores eletrônicos, refrões com instrumentais marcantes e letras melodramáticas, outras características me chamam a ateção nos tais cantores de Tumblr. Eles soam como artistas desajustados, com pensamentos e sentimentos conflitantes, que oscilam entre a maturidade precoce à qual a vida os sujeitou e a infantilidade reprimida que vem à tona diante de determinados conflitos, especialmente na vida amorosa. Os cantores de Tumblr quase sempre são jovens adultos buscando seu lugar no mundo, passando por caminhos que não se encontram nem no “curtir a noite toda” e nem no “chorar em posição fetal”, ou talvez fiquem no meio termo entre ambos. Pode ser por isso que eles geram essa tal “preguiça” em quem está acostumado a ouvir apenas as divas pop do mainstream e, assim, se torna difícil que eles atinjam a massa e o topo dos charts.

Continue Lendo “Agora ou nunca”

Ao menos reconheça: Anitta merece o sucesso que faz!

“Essa aí não passa dessa música (Show das Poderosas).”

“Vai sumir na mesma velocidade que apareceu.”

Quem é que não ouviu frases assim quando Anitta estourou nas rádios e baladas lá em 2013?

Acontece que, em 26 de maio de 2017, Anitta se apresentou em um dos mais tradicionais programas de entretenimento da TV norte-americana.

Você pode subestimar essa realização e procurar mil e um defeitos na performance, mas esse acontecimento foi um verdadeiro exemplo de realização que veio por meio de um trabalho competente e esforçado.

Continue Lendo “Ao menos reconheça: Anitta merece o sucesso que faz!”

A relação inversamente proporcional entre autoconhecimento e sofrimento

Lembro bem de uma coisa que minha terapeuta disse em uma das nossas primeiras sessões:

“Eu não prometo melhora, isso seria estelionato. Eu prometo autoconhecimento.

Na hora aquilo me pareceu absurdo e insuficiente. Eu estava sofrendo e queria melhorar, era simples assim! O que eu fui aprendendo com o passar do tempo e das sessões seguintes é que quanto mais a gente se conhece, menos a gente sofre, porque uma coisa é inversamente proporcional à outra.

Continue Lendo “A relação inversamente proporcional entre autoconhecimento e sofrimento”